O download gratuito de músicas

Leonardo Fernandes – 41417773

Com o advento da internet, muito conteúdo começou a ser compartilhado e baixado de graça. Com a música não seria diferente. Hoje, cada vez mais ferramentas e aplicativos dão ao usuário a possibilidade de conseguir as músicas que quer de maneira fácil e simples. Porém, pegar algo de graça assim é ético? Como todo debate nesse campo, os lados tem seus pontos de vistas que tem uma verdade e crítica por trás. No vídeo, foram entrevistadas duas pessoas com opiniões contrárias, mas de igual força: o download gratuito em prol da divulgação ou o download pago reconhecendo o trabalho do artista e de sua obra de arte.
É indiscutível, que com o desenvolvimento da tecnologia e a passagem do mundo analógico para o digital, a venda de CDs dispencou. A internet é um meio mais prático e rápido de adquirir conteúdo. No entanto, esse conteúdo, que na era analógica era vendido, passou a ser veiculado gratuitamente, seja legal ou não. O que a discussão aqui aborda é se é ético não vender mais sua música ou se ela deve ter um preço.
Um dos lados da moeda é ser a favor dos downloads gratuitos. Sem dúvida, a internet favorece as bandas que estão entrando no mercado e poder acessar uma música de graça é um método de divulgação. Mas, as bandas que já estão consagrados poderiam disponibilizar suas músicas de graça? Algumas bandas arriscam nisso como um método de se destacar, mas as velhas grandes gravadoras fazem vista grossa. Com a perda da venda de CDs, o lucro baixa e o capitalismo selvagem das gravadoras cai por terra.
Do outro lado da moeda, a oposição aos downloads gratuitos. Em uma era digital onde tudo parece acessível e gratuito, não seria remar contra a maré? Não, pois os músicos são trabalhadores como qualquer outro e também merecem receber seus créditos por suas músicas. E o que torna a discussão mais complexa é o fato da impossibilidade de custear uma obra de arte. Quanto vale uma música do Thriller, álbum mais vendido da história do astro do pop Michael Jackson?
Portanto, ambos os lados são muito válidos e cabe ao músico escolher se ele deve distribuir sua música de graça ou não, não cabe ao ouvinte. Ele deve respeitar a decisão de seu ídolo, visto que baixar algo de graça quando não é, é, além de ilegal, contraproducente, visto que você, na maioria das vezes, esses downloads ilegais não tem qualidade máxima e não representam fielmente uma cópia legal da música.
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s